Avaliação do Usuário: / 849
PiorMelhor 

cintilografia miocárdica de perfusão

A cintilografia miocárdica de perfusão, é o exame que serve para ver indiretamente como está a circulação coronariana do coração.

Ele é um intermediário entre o teste de esteira (ergométrico) e o cateterismo. Por exemplo: Uma pessoa faz teste de esteira e dá positivo, mas como é muito nervosa, e isso pode ter influenciado o resultado do exame, em vez de pedirmos o cateterismo, pedimos a cintilografia para confirmar.

Outro caso: Uma pessoa tem sintomas de angina mas não pode andar, porque teve um derrame cerebral ou tem algum problema nos joelhos e ainda não queremos fazer o cateterismo, pois o caso não é tão grave ou urgente.

Digo que o exame de cintilografia mostra "indiretamente" o coração,  porque neste exame não usamos contraste iodado como no cateterismo, mas sim um radioisótopo, uma substância radioativa bem FRAQUINHA, para "marcar" as áreas onde o sangue está chegando com dificuldade.

O marcador que usamos "cintila" ou emite radiação e daí vem o nome: Cintilografia.

Este exame é como olhar o marcador de gasolina, para não ter que olhar dentro do tanque...

Em comparação, o cateterismo seria olhar dentro do tanque mesmo!

Só pra deixar bem claro, o radioisótopo usado na cintilografia NÃO é um contraste, portanto você não precisa ter medo de alergias nem de problemas renais. Em umas 24 horas o radioisótopo sai do seu corpo pela urina, completamente.

Ele é feito assim:

1- Faz-se um teste de esteira (ergométrico) comum, e no auge do esforço dele, injetamos uns 100 ml da solução do radioisótopo na veia.

(Se por qualquer motivo não for possível fazer o teste de esteira, por dificuldade de andar, labirintite, idade avançada ou outra coisa, podemos usar uma substância chamada DIPIRIDAMOL, que acelera o coração e faz o mesmo efeito que uma corrida. Você vai fazer tudo deitado.)

2- Coloca-se o paciente deitado na câmara de cintilografia (muitas vezes o aparelho é "aberto", e o exame não dá aquele medo de lugares fechados.)

3- Faz-se uma sequência de "chapas" e o computador monta a imagem.

4- No dia seguinte, você deve fazer o mesmo exame em repouso, sem exercício, para compararmos essas imagens.

As áreas que ficarem "cheias" de radioisótopos, estão recebendo sangue. As que ficarem "cheias" em repouso mas "vazias" após o esforço, são áreas de falta de sangue e oxigênio.

Onde chegar o radioisótopo fica amarelo ou azul, e onde não chegar, aparece em preto na análise computadorizada. Algumas fotos do coração aparecem como se ele fosse uma rosquinha, e um possível infarto aparece como uma mordida nela! É como a primeira fila de imagens ali em cima. Em outras fotos o coração parece uma letra "C" invertida, e o infarto ou angina aparece como uma falha no desenho dessa letra, na parte de baixo, de cima, ou na curva, como na fila do meio e na debaixo da figura, onde o "C" ficou mais parecido com duas linhas paralelas. Conseguimos até identificar qual parede que está sofrendo a falta de oxigênio.

Daí teremos mais dados para decidir se é necessário fazer o próximo exame, o cateterismo.

 

 

 

 

Última atualização ( Sáb, 18 de Janeiro de 2014 23:51 )